Manutenção: novas tecnologias para aumentar a eficiência dos ativos nos processos de produção

O momento exige da indústria soluções para melhorar a eficiência dos processos produtivos, bem como reduzir custos operacionais. É preciso produzir melhor, sem perdas e com aproveitamento máximo de recursos e tempo. Sabemos que o parque fabril brasileiro está obsoleto, com idade média em torno de 20 anos, como aponta o Documento Nacional 2015, estudo elaborado a cada dois anos pela Abraman – Associação Brasileira de Manutenção. Isso significa que valorizar a manutenção é primordial e urgente.

Abertas inscrições para a especialização de propriedade intelectual na Unicamp

A Inova Unicamp, a Faculdade de Engenharia Química e a Escola de Extensão da Unicamp lançam a Especialização em Propriedade Intelectual. Destinada a graduados em todas as áreas do conhecimento, tem o objetivo de formar especialistas em inteligência tecnológica. As aulas começam em julho de 2014 e seguem até setembro de 2015. As inscrições estão abertas.

Unicamp e Shell inauguram laboratório de biomassa

Dia 25 de novembro será inaugurado o Laboratório de Caracterização de Biomassa na Unicamp, construído com o apoio da Shell Brasil Petróleo, que investiu R$ 7,9 milhões, sendo R$ 6 milhões em obras físicas e aquisição de equipamentos. A contrapartida da universidade foi a cessão do terreno e as obras de infraestrutura urbana e sistema de comunicação. A unidade, vinculada à Faculdade de Engenharia Química-FEQ, prestará serviços de análises para docentes e pesquisadores da universidade, bem como para clientes externos, mediante agendamento.

Lenovo construirá seu primeiro centro de pesquisa no Brasil

A fabricante de computadores Lenovo anuncia hoje investimento de cerca de US$ 100 milhões na construção de seu primeiro centro de pesquisa e desenvolvimento – P&D no País, localizado na Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. A previsão é de que as atividades comecem em janeiro de 2014 e que gere no início 100 empregos e nos próximos anos reúna 220 profissionais. A instalação será o primeiro centro da empresa de desenvolvimento de software para o Enterprise Product Group – EPG. O foco será em inovação de soluções de softwares de empresas e tecnologia de servidores high-end, armazenamento de dados e tecnologia em nuvem.

NEI divulga artigo sobre software industrial que recebe o primeiro apoio do Fundo Pitanga

Acaba de ser publicado no NEI.com.br artigo sobre ex-alunos da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp que receberam apoio de investidores ao criarem software para otimizar processos industriais. Igor Santiago, Leonardo Freitas, Ronaldo Silva e Danilo Halla são sócios da I.Systems, empresa de softwares de automação industrial de Campinas-SP, que foi escolhida em 2013 (entre 600 projetos) para receber o primeiro investimento do Fundo Pitanga de venture capital, criado por banqueiros e fundadores da Natura. O objetivo do fundo é apoiar empreendedores que já têm empresas ou ajudar aqueles com ideias inovadoras a construir suas companhias.

Unicamp terá laboratório para pesquisa de exploração de petróleo e gás

Estudos no campo da visualização científica devem ganhar novo fôlego com a conclusão das obras de um laboratório na Universidade Estadual de Campinas – Unicamp financiado pela Petrobras, disse José Mario de Martino, professor da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação – FEEC. O objetivo do projeto é prover infraestrutura para pesquisa e desenvolvimento de soluções voltadas aos problemas relacionados à exploração de petróleo e gás.

Núcleo de Apoio à Inovação para a Sustentabilidade no Setor Sucroenergético é criado e promete beneficiar 80 grandes empresas

A Universidade Estadual de Campinas, a Universidade de São Paulo, a Universidade Federal de Pernambuco, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar e a Embrapa anunciaram o Núcleo de Apoio à Inovação para a Sustentabilidade no Setor Sucroenergético – Nagise. O objetivo é unir – de outubro de 2013 a abril de 2014 – um grupo de 30 pesquisadores das instituições envolvidas e empresários do setor para, por meio de capacitação e diagnóstico das demandas por tecnologia e inovação, estabelecer um plano de inovação que resulte em maior competitividade em escala nacional e global, fortalecendo o setor na matriz energética brasileira. Segundo o Nagise, a previsão é beneficiar 80 empresas de grande porte do segemnto sucroenergético, como Raízen, Bunge e GranBio.