Sustentabilidade ética, social, ambiental e financeira nas empresas: pessoas, empresas e lucro – Parte I

2 minutos para ler
Por quê discutir sustentabilidade ética, social, ambiental e financeira no ambiente empresarial? Sustentabilidade e lucro são compatíveis? Até que ponto temos líderes e profissionais voltados para práticas sustentáveis e lucrativas?

Estes questionamentos são de significativa importância para as empresas e seus profissionais, se adequarem às demandas globais voltadas para a sustentabilidade do planeta.

A discussão da ética e da responsabilidade social empresarial ganha contornos  macros, a partir do momento que introduzimos o termo “sustentabilidade”. Mas, o que é sustentabilidade ética, social, financeira e ambiental?

Ética é materialidade e está no conjunto de práticas e comportamentos humanos na sociedade. Há diferentes éticas que são concretas, materiais, portanto, sendo o ser humano responsável por estas ações. O princípio fundamental dessa ética é a Vida Humana, seu desenvolvimento, sua manutenção e reprodução.

Hoje temos conceitos que podem alargar nosso entendimento a respeito da ética em nosso contexto, como é o caso do multiculturalismo. Como vivemos em um mundo híbrido, composto por sujeitos de diversas identidades culturais, ser ético é pensar nas diferenças, nas demandas trazidas pelo atendimento ao direito de todos, direitos emergentes, independente de raça, gênero, classe social, entre outras ancoragens identitárias.

Parte II

Parte III

Parte IV

Crédito: artigo escrito por Ana Paula Arbache, sócia diretora da Arbache Consultoria e responsável pelas ações de gestão de pessoas, cidadania corporativa, sustentabilidade ética, social e ambiental.

Você também pode gostar

2 comentários em “Sustentabilidade ética, social, ambiental e financeira nas empresas: pessoas, empresas e lucro – Parte I

  1. Ana, boa noite.

    Interessa, no todo do artigo, a forma como você aborda o tema sustentabilidade em função das demandas globais de mãos dadas com o planeta, vinculando ética e consciência objetiva.

    O principio fundamental para a preservação da vida humana é deixá-la seguir o curso, já pré-definido, que se lhe atribuiu:
    – sustentar-se pelo complemento de suas necessidades; só e somente só interferindo na outra – vida – de modo a ajudar o complemento de suas necessidades – somente as – não complementadas

    Seu artigo dará resultado, desejo/proposta de mudança, se efetivamente a consciência deste ambiente meio que você menciona permitir/doar a ação –ética objetiva – produtiva de uma sã consciência, porque a probabilidade das adversidades, não inclui só a casa do vizinho, mas a nossa, composta de infinidade de pessoas que amamos.

    Parabéns pelo artigo e almejo o alcance objetivo.

    Marcos Frei
    17.08.10 11:55 hr

Deixe uma resposta

-