Setor de embalagens plásticas flexíveis cresce 7,5% em 2012

2 minutos para ler

O faturamento do segmento de embalagens plásticas flexíveis registrou em 2012 aumento de 7,5% em relação ao ano passado, fechando com R$ 12 bilhões, segundo estudo da Maxiquim solicitado pela Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis – Abief. O volume de produção também cresceu. Em 2011, a produção foi de 1.779,19 mil toneladas de embalagens contra 1.813 mil toneladas em 2012, crescimento de 1,9%.

De acordo com a associação, apesar desses números positivos, o setor sofreu com a volatilidade dos custos, principalmente em relação ao aumento dos preços das matérias-primas superior aos demais custos de produção e ao consequente crescimento das importações de produtos acabados.

O estudo mostra que as importações de embalagens flexíveis cresceram 11,5% em valores (de US$ 573 milhões, em 2011, para US$ 639 milhões, em 2012) e 12,8% em volume (de 120 mil toneladas, em 2011, para 136 mil toneladas, em 2012). Mostrou ainda que as exportações caíram no período. Em valores, a queda foi de 14% (de US$ 217 milhões, em 2011, para US$ 186 milhões, em 2012) e de 14,7% em volume (de 62 mil toneladas, em 2011, para 53 mil toneladas, em 2012). O déficit da balança comercial foi o maior dos últimos oito anos, atingindo US$ 453 milhões em 2012.

O ano de 2013 apresentou início bem mais animador. “A redução dos custos da energia elétrica, a manutenção da disponibilidade de recursos para novos investimentos pelo BNDES, a momentânea nova estabilidade dos custos das matérias-primas e a concretização de negociações ao longo da cadeia mostram um ano mais otimista para a indústria de embalagens plásticas flexíveis”, concluiu o presidente da Abief, Sergio Carneiro Filho.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-