Dicas técnicas

O que é PGR e qual é a sua importância para a segurança do trabalhador?

Ana Paula
Escrito por Ana Paula em 14 de outubro de 2020
NEI NEWS

Junte-se a mais de 230 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR), como sugere o nome, trata-se de um programa adotado obrigatoriamente pelas empresas para a prevenção de acidentes causados por seus riscos ocupacionais.

Sua aplicação, por meio de técnicas de gestão, conjunto de procedimentos, registros de monitoramento e avaliação de riscos, é capaz de promover maior segurança aos trabalhadores e garantir aos gestores a estabilidade de seu negócio.

Neste post você irá conhecer mais detalhes sobre o PGR e entender alguma de suas contribuições à segurança de todas as áreas de sua empresa. O conteúdo passará pelos seguintes tópicos:

  • O que é PGR?
  • Quais são os requisitos que devem ser considerados na elaboração do PGR?
  • Quem deve elaborar o PGR?
  • Qual é a vigência do PGR?

O que é PGR?

O Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) é o principal programa da Norma Regulamentadora (NR-1), a qual confere as disposições gerais e o Gerenciamento de Riscos Ocupacionais (GRO). 

Quando empregue, o programa é apresentado aos profissionais por meio de um inventário de riscos e por um plano de ação também. 

Enquanto o inventário de riscos cuida da listagem de todos os riscos e perigos presentes dentro e fora da empresa, o plano de ação é responsável por elaborar as medidas preventivas, aos quais serão responsáveis minimizar, controlar ou ainda, em um futuro próximo, eliminar todo e qualquer risco existente. 

Em outras palavras, o Programa de Gerenciamento de Riscos dará as empresas a capacidade de identificar, avaliar e gerenciar os perigos que possam oferecer danos (de curto, médio ou longo prazo) à saúde de seu colaborador ou mesmo consequências financeiras a seus gestores ou ainda para o meio ambiente.

Os riscos ocupacionais aqui mencionados, também conhecidos como riscos laborais, são aqueles aos quais o profissional estará exposto durante a execução de suas atividades, em favor de sua função. 

Estes compreendem os riscos ergonômicos, físicos, mecânicos, químicos, biológicos, elétricos, de altura, entre outros. Ademais, é crucial que eles sejam devidamente identificados, classificados e, assim, prevenidos.  

Por esse motivo é tão importante que o colaborador esteja munido com os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) certos, necessários à sua segurança.

Sendo seus principais tipos os para a proteção auditiva (protetores auriculares e abafadores de ruído), respiratória (respiradores descartáveis, máscaras, filtro etc.), facial (viseiras e óculos), da cabeça (capacetes), das mãos e dos braços (luvas e mangotes), das pernas e dos pés (calçados, sapatos, tênis, botas e botinas de segurança), de trabalhos em altura (cinto de segurança, mosquetão, talabarte etc.), entre outros. 

Para tanto, é preciso que a empresa não apenas os disponibilize a seus profissionais, mas também que se responsabilize por oferecer treinamentos que os auxiliem na correta higienização e conservação de seu EPIs. 

E, com isso, seu tempo de uso será prolongado e ele poderá ainda ser reutilizado por outros profissionais e, por consequência, as empresas terão seus gastos com a troca ou manutenção desses equipamentos reduzidos consideravelmente. 

Outro ponto a ser considerado, porém não menos importante, é o uso dos Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs). 

Pois sua adoção contribui para o desenvolvimento de medidas de proteção coletiva capazes de reduzir em grande escala dos níveis de exposição dos trabalhadore aos riscos ocupacionais existentes.  

Quais são os requisitos que devem ser considerados na elaboração do PGR?

Alguns itens devem ser considerados durante a elaboração do Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR), uma vez que sua aplicação pode minimizar a ocorrência de acidentes:  

  • planos de emergência;
  • a análise de acidentes de trabalho;
  • uma investigação sobre a deficiência do oxigênio, ventilação e proteção respiratória; 
  • a análise de toda e qualquer atmosfera explosiva; 
  • o correto treinamento do uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) pelos profissionais; 
  • a identificação de riscos oriundos do trabalho em altura, profundidade ou espaços fechados, entre outros.

Quem deve elaborar o PGR?

De acordo com a Norma Regulamentadora 1 (NR-1), a elaboração do Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) é de responsabilidade da organização e cabe ao empregador escolher um profissional capacitado. 

Para isso, é preciso, sobretudo, que ele seja legalmente habilitado em Segurança do Trabalho, ou seja, necessariamente um Engenheiro ou mesmo um Técnico de Segurança do Trabalho. 

Dentre as empresas que devem, obrigatoriamente, adotar o PGR temos as mineradoras subterrâneas, a céu aberto ou de pesquisa mineral, bem como garimpos ou beneficiamentos minerais e em canteiros de obras (de construção civil). 

Qual a vigência do PGR?

Assim como o antigo PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), o Programa de Gerenciamento de Riscos não possui vigência. 

Contudo, como estabelece a Norma Regulamentadora (NR-1), os riscos listados no inventário de riscos precisam ser obrigatoriamente revistos por seu elaborador, com a periodicidade de dois anos a partir de sua elaboração. Mas, caso a empresa possui um sistema de gestão de SST, a periodicidade poderá ser de até três anos.  

No entanto, cabe a nós aqui ressaltar que o Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) não é um documento estático, mas sim mutável de acordo com as fases do processo ou atividade para qual ele é elaborado. 

Na construção civil, por exemplo, sua atuação em canteiros de obra contribui para seu correto planejamento, execução e controle, ainda que após sua entrega final. 

Isto é, o programa contempla todas as fases importantes à qualidade de um projeto, visto que ela será um fator crucial para a segurança de todos os colaboradores ali presentes. 

Por fim, é fundamental que consideremos a importância do Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR), diante de sua implementação e segmentação, pois, quando adotado, é capaz de assegurar aos profissionais e também aos empregadores sua proteção em seu ambiente de trabalho. 

Ele deve ser entendido, sobretudo, como uma iniciativa apta a incentivar as empresas na adoção de medidas efetivas que contribuam continuamente para a melhora de seu desempenho.

Em outras palavras, o Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR), além de promover uma cultura de segurança dentro das organizações, pode ainda influenciar sobre o rendimento dos colaboradores destas organizações, pois, ao se sentirem mais seguros, desenvolvem suas atividades com mais avidez e confiança, trazendo resultados ainda maiores.  


Gostou?

Conte para a gente nos comentários!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *