Manutenção: novas tecnologias para aumentar a eficiência dos ativos nos processos de produção

5 minutos para ler

O momento exige da indústria soluções para melhorar a eficiência dos processos produtivos, bem como reduzir custos operacionais. É preciso produzir melhor, sem perdas e com aproveitamento máximo de recursos e tempo. Sabemos que o parque fabril brasileiro está obsoleto, com idade média em torno de 20 anos, como aponta o Documento Nacional 2015, estudo elaborado a cada dois anos pela Abraman – Associação Brasileira de Manutenção. Isso significa que valorizar a manutenção é primordial e urgente.

Eduardo Linzmayer, especialista em engenharia de manutenção e professor-mestre do Instituto Mauá de Tecnologia, afirmou que o investimento em manutenção neste momento permite à indústria aumentar sua produtividade e eficiência, tornando-se mais competitiva. “É necessário transformar as ações de manutenção em investimentos que se traduzem em melhorias na eficiência e produtividade”, reforçou Linzmayer. “Encarar a manutenção como custo industrial somente prejudicará os resultados finais.”

Nos últimos anos, no exterior, a gestão de manutenção deixou de ser vista pelas empresas como “mal necessário” e se tornou um dos fatores determinantes para o aumento da competitividade, isso porque infere diretamente nos custos e na disponibilidade de equipamentos para os processos fabris, informaram Rodrigo Baldo, professor doutor da Faculdade de Ciências Aplicadas – FCA da Unicamp, onde é responsável por disciplinas como Manutenção Industrial, e seu aluno de mestrado Ailson Renan Santos Picanço.

Segundo os especialistas, a engenharia de confiabilidade e a manutenção preditiva estão em alta. “A primeira se debruça sobre um arcabouço matemático, que estuda a vida dos equipamentos e a probabilidade de falha, prevendo com certo grau de assertividade a chance de um equipamento funcionar ou falhar, se compensa ou não fazer manutenção preventiva e o melhor momento para trocar um equipamento.” Já a manutenção preditiva, conforme comentaram, analisa os sintomas que o equipamento apresenta e sinaliza, por exemplo, por uma análise de vibração, qual componente trocar. Esses dados revelam que os profissionais de manutenção necessitam conhecer novas tecnologias, por isso esta seção reúne diversas novidades pesquisadas pela equipe editorial de NEI Soluções no Brasil e no exterior.

É importante lembrar que, tradicionalmente, a partir de outubro as indústrias começam o planejamento das paradas para manutenção de suas produções de final do ano, sendo este, então, o período ideal para compras e contratações.

Manutenção no Brasil

A gestão de manutenção no Brasil, com raras exceções, ainda tem um longo caminho pela frente se comparada às políticas adotadas em outros países. Para Baldo e Picanço, a Manutenção Produtiva Total e a Manutenção Centrada em Confiabilidade fazem parte do dia a dia de um grupo seleto de empresas, em geral robustas e/ou de origem estrangeira, sobretudo da cadeia automobilística. “Se pensarmos no Brasil, fundamentalmente agroindustrial e com base econômica nas pequenas e médias empresas, ainda temos muito para evoluir. Em geral, a manutenção ainda é vista como ‘um mal necessário’.”

Segundo eles, hoje inúmeras empresas de softwares vendem programas ou módulos incorporados a Enterprise Resource Planning – ERP, de gestão de manutenção, mas o que percebem é que os mais robustos não estão sendo aplicados efetivamente na indústria, seja por falta de conhecimento técnico, pouca familiaridade, baixa adesão aos sistemas ou ausência de cultura organizacional assertiva para a área de manutenção.

“Quando pensamos também em geração de conhecimento na academia, ainda se encontra em estágio inicial de desenvolvimento, uma vez que no País, com dimensões continentais, há poucos pesquisadores que têm a engenharia de manutenção como alvo de suas pesquisas, se comparado a outras áreas da engenharia de produção e manufatura”, relataram.

Mas há “sementes sendo adubadas” na academia. Baldo informou que o desenvolvimento de um sistema de manutenção descomplicado e intuitivo para aplicar à indústria nacional tem sido alvo de pesquisas na FCA-Unicamp. “Não basta ser um sistema simples, precisa ter a robustez necessária para que nossa indústria seja mais competitiva nos mercados globais”, destacaram.

E Linzmayer completou que a equipe de engenharia de produção do Instituto Mauá de Tecnologia criou o Birô de Manufatura Digital, utilizando técnicas de simulação que podem ser aplicadas na Manutenção Baseada em Confiabilidade ou Reliability Centered Maintenance – RCM.

Documento Nacional 2015

O estudo elaborado a cada dois anos pela Abraman e apresentado no 30° Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos, que ocorreu em paralelo à Expoman 2015 – Exposição de Produtos, Serviços e Equipamentos para Manutenção e Gestão de Ativos, em Campinas, em agosto, aponta queda do custo relativo com o pessoal de manutenção e a redução dos treinamentos: de 3,9%, em 2013, para 2,7% em 2015.

Outro item que também apresentou queda foi a disponibilidade dos equipamentos do parque fabril, que caiu de 89,3% para 88,7%; a indisponibilidade por paradas para manutenção subiu para 6,32%, 0,17% superior ao estudo anterior. A indisponibilidade por outros fatores subiu de 4,6 para 5%.

Essa edição do documento apresenta ainda o remanejamento das equipes de manutenção de ativos nas empresas, mostrando a diminuição da terceirização do serviço, com as companhias preferindo treinar a própria equipe e adquirir os recursos necessários.

Você também pode gostar

1 comentário em “Manutenção: novas tecnologias para aumentar a eficiência dos ativos nos processos de produção

  1. A automação se faz necessário nos dias de hoje, só que ha pessoas erradas no lugar certo, quer dizer pessoas sem conhecimento pleno só por possuir um diploma esta a frente das decisões excluindo os profissionais verdadeiramente competentes mas que devido por falta de oportunidade de estudar ou mesmo de se aperfeiçoar esta esquecido.
    Portanto as autoridades competentes educacionais e os responsáveis pela contratação nas industrias deveriam melhor avaliar estas condições, onde por exemplo somar as forças de um profissional com pleno conhecimento didático(teórico) com as forças de um profissional com conhecimentos pleno prático (experiencia) resultando uma soma que venha dar ao setor uma melhoria plena e eficiente com custos baixos atingindo o objetivo, pensem nisso!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

-