Logística – um cenário repleto de oportunidades

4 minutos para ler

Com os inúmeros anúncios de construção, nos próximos anos, de novas indústrias e ampliação de unidades em variados setores, como automotivo, alimentício, de máquinas, papel e celulose, energia, petróleo, plástico e informática, a área de logística deve receber um estímulo significativo em seus negócios. Seus produtos e serviços são altamente relevantes tanto nas fases de construção quanto na operação das novas unidades.

Uma amostra da audiência de NEI Soluções entrevistada para o Estudo de Intenção de Compras 2012/2013 revelou que há disposição de investir mais de US$ 40 milhões nos segmentos Armazenagem e Movimentação & Transporte.

O setor também será impulsionado diretamente pelo novo Programa de Investimentos em Logística, que prevê aplicação de R$ 133 bilhões em nove trechos de rodovias (R$ 42 bilhões em 7,5 mil km) e em 12 trechos de ferrovias (R$ 91 bilhões em 10 mil km). O objetivo é aumentar a escala dos investimentos públicos e privados em infraestrutura de transportes e promover a integração de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, reduzindo custos, ampliando a capacidade e a eficiência de transporte e aumentando a competitividade do País.

Do valor total, R$ 79,5 bilhões serão aplicados nos próximos cinco anos e o restante, em até 25 anos. O planejamento das ações e o acompanhamento dos projetos serão feitos pela Empresa de Planejamento e Logística – EPL, criada pelo governo federal  para promover a integração logística no Brasil.

Os dois mapas abaixo mostram as redes rodo e ferroviária beneficiadas pelos investimentos.

mapa1

mapa2

O Programa de Investimentos em Logística do governo federal, lançado em dezembro de 2012, prevê recursos de R$ 54,4 bilhões. Trata-se de um conjunto de medidas para incentivar a modernização da infraestrutura e da gestão portuária, a expansão dos investimentos privados no setor, a redução de custos e o aumento da eficiência.

Os portos beneficiados no Sudeste são Espírito Santo, Rio de Janeiro, Itaguaí e Santos; no Nordeste, Cabedelo, Itaqui, Pecém, Suape, Aratu e Porto Sul/Ilhéus; no Norte, Porto Velho, Santana, Manaus/Itacoatiara, Santarém, Vila do Conde e Belém/Miramar/Outeiro; e no Sul, Porto Alegre, Paranaguá/Antonina, São Francisco do Sul, Itajaí/Imbituba e Rio Grande. A Secretaria de Portos centralizará o planejamento portuário, e o Ministério dos Transportes responderá pelos modais terrestres e hidroviários.

Para completar os planos anteriores, em dezembro de 2012 também foi anunciado pelo governo federal o Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos. Serão investidos R$ 7,3 bilhões na primeira etapa do plano de aviação regional. Na primeira fase, serão contemplados 270 aeroportos. Os projetos deverão promover o reaparelhamento, a reforma e a expansão da infraestrutura aeroportuária, tanto em instalações físicas quanto em equipamentos. Os investimentos incluirão, por exemplo, reforma e construção de pistas, melhorias em terminais de passageiros, ampliação de pátios, revitalização de sinalizações e de pavimentos, entre outros. Os recursos virão do Fundo Nacional de Aviação Civil – FNAC.

Os investimentos previstos são de R$ 1,7 bilhão em 67 aeroportos na região Norte; R$ 2,1 bilhões em 64 aeroportos na região Nordeste; R$ 924 milhões em 31 aeroportos no Centro-Oeste; R$ 1,6 bilhão em 65 aeroportos no Sudeste; e R$ 994 milhões em 43 aeroportos do Sul.

NEI.com.br reuniu 31 lançamentos de máquinas e equipamentos que podem contribuir para a execução desses projetos que visam resolver os gargalos da movimentação de material nas plantas e de bens na malha logística atual do País.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-