Descubra os segredos do mercado industrial brasileiro

4 minutos para ler

O mercado industrial brasileiro mostrou a sua grande importância no recente acontecimento da greve dos caminhoneiros, ocorrida durante o governo Temer. Muitos perceberam o quanto ele é relevante na nossa vida e na de muitas empresas. Segundo dados do IBGE, esse setor tem gerado um grande crescimento, após o ocorrido, em 11 lugares dos 15 coletados na sua pesquisa.

Para entender melhor esse mercado, é preciso conhecer seu surgimento, compreender a sua evolução e como um bom direcionamento em suas estratégias podem mudar seu lugar de destaque. Por meio de estatísticas e dados relevantes, o profissional pode tê-los como base para enxergar oportunidades e explorá-las.

Para saber mais sobre esse assunto, confira os tópicos abaixo onde separamos informações importantes sobre esse tema e esperamos que vocês absorvam o máximo possível de conhecimento para obter um crescimento profissional. Boa leitura!

A indústria no Brasil

Podemos considerar que a industrialização no Brasil corresponde ao que os pesquisadores dizem ser a terceira etapa da Revolução Industrial, que teve sua primeira fase se iniciando por volta de 1760.

Pois foi só no ano de 1950 que a industrialização veio a ocorrer no Brasil, com a ajuda de bens econômicos oferecidos por outros países. Ela obteve avanços pós-Segunda Guerra, mostrando um desempenho que, comparado a países mais desenvolvidos, era de surpreender.

Alguns acontecimentos brasileiros, tais como a ditadura militar e a implantação do Plano Real, corroborou para melhores formas de gerenciamento e evolução no mercado industrial. Segundo o FEM (Fórum Econômico Mundial), o Brasil ocupa atualmente o 72º lugar entre os 140 países no ranking da competitividade global, apresentando uma melhora no seu resultado de 2017, quando ficou em 80º na lista.

O cenário industrial atual

Atualmente, o Brasil apresenta uma queda de 2% em seu faturamento e um aumento de 1,5% nas horas de trabalho no setor da produção, segundo dados da CNI em janeiro de 2019. Essa mesma entidade elaborou um mapa estratégico, em andamento desde 2018 com seu planejamento final para 2022, onde são apresentados os principais fatores que podem melhor o ideal competitivo. Produtividade, criatividade e sustentabilidade são os principais focos.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o índice de confiança no mercado industrial apresenta seu maior nível desde agosto de 2018, apresentando melhores pontuações em 12 segmentos dos 19 contidos na pesquisa. Com esses resultados positivos, as empresas desse setor procuram investir na melhoria de infraestrutura, na aquisição de máquinas mais modernas e na atualização de seus softwares.

O marketing na Indústria 4.0

Como o próprio nome diz, Business to Business, o marketing B2B um conjunto de estratégias que focam no relacionamento que uma empresa prestadora de serviços tem com outras empresas. O foco que as empresas dão a esse marketing ajuda a vencer os desafios encontrados no mercado industrial e estuda uma melhor forma de divulgar seus produtos para empresas que desejam essa demanda.

Hoje o mercado industrial está na sua quarta evolução, conhecida como Indústria 4.0, e para uma melhor automação de dados, ela precisa entender que seus avanços tecnológicos geram benefícios em diferentes áreas.

Os robôs já são vistos como possibilidade para a realização de certas tarefas humanas. Esse fator, que algumas pessoas veem como ameaça, é tido por outros como um incentivo para maior desenvolvimento do setor e ainda a possibilidade de ascensão na sua área profissional.  

Como você pode perceber a partir deste artigo, alguns dados apontam que o Brasil precisa dar foco a algumas questões para melhorar seu cenário no mercado industrial e algumas empresas precisam dinamizar a forma de tratamento com seu público. Assim, trabalhando para a melhoria, o Brasil pode atingir lugares melhores e ter uma boa credibilidade nesse setor.

Gostou do nosso artigo? Esperamos que ela tenha ajudado e, para acompanhar mais conteúdos como este, não esqueça de curtir nossa página do Facebook, nos seguir no Twitter e ver nosso conteúdo no Linkedin e no Youtube. Até a próxima!

 

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-