Construção Civil

Decapante químico de metais: Entenda como funciona e sua importância

Redação de NEI
Escrito por Redação de NEI em 29 de junho de 2020
NEI NEWS

Junte-se a mais de 230 mil pessoas e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O que é um decapante químico?

O decapante químico tem como função realizar a preparação do metal para o revestimento. Esse produto químico para manutenção remove toda sujidade, oxidações, crostas de fundições e porosidades que podem afetar o aço ao longo de diversos processos.

A decapagem é realizada em metais que apresentam corrosão, carepa de laminação ou carepa decorrente do corte a laser. Nessas aplicações o decapante é capaz de retirar completamente óxidos ou carepas dos resíduos através de componentes químicos, ácidos, métodos térmicos, tempo de submersão e finalização.

Quais a sujidades que o decapante químico deve remover?

Quais a sujidades que o decapante químico deve remover?

Para entendermos melhor sobre o processo de decapagem, é importante sabermos quais impurezas queremos remover, são elas: sujidades oleosas como óleos minerais, óleos graxos, óleo de laminação e óleos protetores de corrosão; semi sólidas como parafinas, graxas, ceras, sabões e protetivos anticorrosivos comuns; sólida como massas de polimento, massas de estampagem e óxidos e produtos de corrosão como impurezas resultantes de tratamentos térmicos.

Quais os métodos para decapagem?

Veja as formas de realizar a decapagem:

Decapagem mecânica: é realizada antes da decapagem química removendo camada de óxidos. O objetivo é retirar totalmente o óxido do aço através de uma escovação, martelamento, tamboreamento ou jateamento abrasivo:

Tamboreamento: É realizado para polimento ou esmerilhamento. Aa peças são colocadas dentro de tambor fechado ou aberto, que realiza uma rotação contínua e consequentemente a eliminação da sujidade. O tamboreamento é indicado para peças com sujeiras mais aderidas e pode ser aplicado em qualquer metal. 

Raspagem: O processo é feito com escovas rotativas de arame de aço ou bronze com a ajuda de um abrasivo. Indicado para camadas mais espessas de óxidos.

Jato abrasivo: O jato abrasivo trabalha propulsionando um material abrasivo sobre a peça com alta velocidade. Tem o poder de tornar rugosa uma superfície lisa, dar formas e remove contaminantes. Neste processo é possível remover óxidos e cascas de fundições. 

Decapagem química: deve ser precedida de jateamento abrasivo, ela tem a finalidade de produzir superfícies puras com a remoção de tintas e resíduos pelo processo químico. Recupera a peça de metal limpando resíduos injetados como polímeros. Esse processo é realizado por meio de mergulho em banhos de ácidos sulfúrico, ácido clorhídrico, ácido fluorhídrico, ácido fosfórico ou ácido nítrico. São usados os seguintes aditivos:

  • Ácido sulfúrico: ferro fundido, aço carbono, cobre e zinco; 
  • Ácido clorídrico: ferro fundido, aço carbono, zinco e chumbo;
  • Ácido nítrico: aço inoxidável e cromo-níquel, estanho e chumbo e alumínio;
  • Ácido fluorídrico: aço inoxidável e cromo-níquel e alumínio. 
  • Ácido fosfórico: aço carbono.

Decapagem térmica: realizado para remoção de gorduras por recozimento ou limpeza com pó de ferro. O material será aquecido a uma determinada temperatura para remoção de incrustados. 

O objetivo da decapagem térmica é alterar características estruturais do material, aumentando sua resistência sem danificá-lo, para posteriormente ser feito um novo processo. Nessa técnica é possível remover tintas, graxa, oxidações e óleos. 

É usada na limpeza de gancheiras,Skids, berços, bastidores, grades e peças automotivas. 

Decapagem eletrolítica: Parecida com a decapagem química, a decapagem eletrolítica é feita através da submersão soluções ácida com banhos de variações de corrente elétrica. Esse modo é mais rápido que a decapagem química, além de aumentar a resistência à corrosão. 

A decapagem eletrolítica remove resíduos de pó de ferro e não deixa manchas e é indicado para casos onde o material irá passar por um processo de galvanização após a decapagem. Geralmente usado em  arames, chapas, tiras e peças pequenas.

É importante deixar claro que cada processo de decapagem é específico para um tipo de metal, acabamento e finalidade. A metodologia de cada limpeza pode ter riscos e incompatibilidade com o material.

É considerável analisar qual metal, finalidade e metodologia usar para a limpeza do metais. A técnica de cada  higienização e acabamento pode ter riscos e incompatibilidade com o material.

Como usar o decapante químico?

A decapagem pode ser realizada em um simples processo de aplicação de produtos químicos ou dependendo do tipo e tamanho do material em grandes tanques e processos de submersão e remoção de ácidos. Há empresas altamente especializadas nesse serviço com instalações para o tratamento do metal. 

É importante que o profissional a realizar o processo seja capacitado e adere adequadamente os equipamentos de proteção individual como luvas, óculos, sapatos ou botas e máscara de proteção contra resíduos e gases.

Os equipamentos e instrumentos devem ser inspecionados e não podem comprometer o desempenho dos trabalhadores e nem comprometer a saúde física conforme a norma regulamentadora NR 18.

Para jateamento abrasivo, mecânico e químico deve ser considerado os métodos estabelecidos conforme as normas NBR 7348, NBR 7347, NBR 7145, NBR 9209 e NBR 7349.

Qual equipamento de proteção usar para a decapagem?

Para o processo de decapagem é necessário você esteja corretamente protegido. As técnicas de limpeza dos metais podem durar um longo período e causar algumas reações químicas prejudiciais a saúde. 

Por isso é importante quando estiver realizando os processos porte os seguintes equipamentos:

Luvas de segurança: podem ser de neoprene, nitrílica, látex ou PVC, podendo variar de acordo com o químico ou abrasivo usado;

Calçados de segurança: botas de pvc, botinas ou sapatos, o material também dependerá do método e abrasivo usado;Respirador Descartável: com o processo químico, a decapagem pode soltar substâncias em forma de poeiras, vapores, gases e névoas prejudiciais. O respirador pode impedir a inalação desses contaminantes.

Gostou?

Conte para a gente nos comentários!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *