Cresce 22,3% a reciclagem de PVC pós-consumo no Brasil em um ano

4 minutos para ler

Pesquisa aponta que, em 2010, mais de 25 mil toneladas de PVC pós-consumo foram recicladas

Pesquisa encomendada pelo Instituto do PVC mostra que o índice de reciclagem de PVC pós-consumo no Brasil passou de 14,5% em 2009 para 15,1% em 2010. O volume reciclado foi de 25.302 toneladas frente às 20.693 toneladas recicladas no ano anterior, ou seja, um aumento de 22,3%.

A indústria de reciclagem de PVC no Brasil emprega 1.339 pessoas e fatura R$ 133 milhões. Sua capacidade instalada é de 73 mil toneladas e atua com uma ociosidade de 59,1%. Isso mostra claramente o potencial de crescimento desta atividade. Entretanto, “este desenvolvimento está atrelado à intensificação de sistemas de coleta seletiva de resíduos pós-consumo”, afirma Miguel Bahiense, presidente do Instituto do PVC. O Brasil tem mais de 5.500 municípios dos quais cerca de 8% apresentam algum tipo de sistema de coleta seletiva.

A pesquisa mostra também mudanças na origem do PVC destinado à reciclagem. Em 2009, do total reciclado, 72,9% correspondiam a resíduos pós-consumo e 27,1% industrial, enquanto em 2010, os números encontrados foram 84,5% e 15,5%, respectivamente, ou seja, houve aumento na quantidade de resíduo pós consumo reciclado, “o que é extremamente positivo”, destaca Bahiense.

O PVC, apesar de estar entre os três plásticos mais produzidos no mundo, é o plástico que menos aparece no lixo urbano. Em 2010 foram gerados 167 mil toneladas de resíduos de PVC pós-consumo o que corresponde a apenas 5% do total de resíduo plástico gerado no Brasil. Isso ocorre porque 64% do PVC são usados em aplicações de longa duração, com vida útil superior a 15 anos, como tubos e conexões, pisos, esquadrias, janelas, entre outras, muitos dos produtos ultrapassando os 50 anos de uso. Apenas 12% do PVC são destinados às aplicações de curta vida útil, ou seja, de 0 a 2 anos. O restante, 24% são aplicados em produtos de vida útil entre 2 e 15 anos.

Como o PVC pode ser rígido ou flexível, a pesquisa desmembrou a taxa de 15,1% do PVC (rígido + flexível). Para o PVC rígido a taxa aumentou, saindo de 10,7% em 2009 para 11,4% em 2010. Já para o PVC flexível a variação foi ainda maior, de 17,6% em 2009 para 18,7% em 2010. A razão dessa diferença está diretamente relacionada com o ciclo de vida útil do PVC. Como o PVC rígido está mais associado a aplicações da construção civil, ou seja, de longa vida útil, é natural que estes produtos demorem a chegar a uma empresa recicladora na forma de resíduos. Com o PVC flexível ocorre o processo inverso, já que as aplicações desse PVC são mais associadas aos curtos e médios prazos de vida útil. Assim, a pesquisa confirmou o esperado, que a reciclagem de PVC flexível continua sendo maior que a do PVC rígido, sendo que considerados os dois tipos de PVC juntos, a taxa total é de 15,1%.

Algumas características regionais da indústria de reciclagem do PVC também foram apuradas. Do total reciclado em 2010, o Sudeste respondeu por 48% da reciclagem, seguido pela região Sul, com 41%, Nordeste com 8% e Norte com 3%. O Centro-Oeste não registrou a presença de recicladores.

O PVC é um plástico diferenciado. A principal matéria-prima é o cloro obtido do sal marinho (57%), recurso inesgotável na natureza. Os 43% restantes são obtidos a partir do eteno, derivado do petróleo.

A pesquisa em números

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A pesquisa sobre o índice de reciclagem do PVC foi encomendada pelo Instituto do PVC à Maxiquim, consultoria especializada no segmento industrial e obedeceu a metodologia do IBGE. Além disso, envolveu empresas de todo o Brasil.

 

Links Relacionados:

Notícias de produtos
Categorias
Fornecedores
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-