Carro compacto testa 56 buchas plásticas em percurso por 30 países em 14 meses

3 minutos para ler

carroApós percorrer 6 mil km no Brasil em aproximadamente um mês, um pequeno automóvel da Igus, guiado até agora por um funcionário da matriz alemã, segue hoje rumo ao Alasca para dar continuidade ao Iglidur on tour. Com 56 buchas de plástico de engenharia – polímero, fibras e lubrificantes sólidos –, substituindo as metálicas, o veículo percorrerá diversas cidades de 30 países em 14 meses. Nesses locais, o motorista e a equipe de vendas regional chegam de carro (com suporte de um furgão) a empresas pré-selecionadas com o objetivo de mostrar as peças plásticas e comentar suas características técnicas, que, além da automobilística, podem ser usadas em outras indústrias, como a de máquinas e alimentos.

O roteiro teve início em fevereiro, na Índia, com paradas na China, Coreia do Sul, Tailândia e Japão. Após o Alasca, o veículo seguirá para o Canadá, os Estados Unidos e a Europa. Em 15 de outubro retornará à matriz da Igus em Colônia para fazer parte da comemoração dos 50 anos da empresa. Partes do automóvel compacto serão desmontadas na Hannover Messe 2015, em abril, na Alemanha, para mostrar ao público como as peças estarão após esse longo teste.

carro 2

Nesse caso, as buchas foram aplicadas no ajuste do banco, pedal de freio, câmbio, freio de mão, regulador da janela, articulação do teto conversível, limpador de para-brisa, válvula do acelerador e alternador. Tudo passou por inspeção técnica do TÜV Rheinland Group. Segundo a Igus, essas peças oferecem 25% de economia financeira em relação aos demais produtos, vida útil de 50 a 70% maior e sete vezes mais leveza, podendo alcançar 315ºC. Além disso, informou que os plásticos de engenharia utilizados permitem reciclagem e reforçou que peças plásticas consomem menos energia para sua produção. Estudantes da Universidade de Ciências Aplicadas de Colônia participaram do projeto.

No circuito, o pequeno carro enfrenta asfalto, areia, poeira, sujeira, calor, neve, chuva, neblina. Tudo para forçar as peças. Até o final da etapa no Brasil não foi substituída nenhuma bucha, afirmou a empresa. Inclusive, informou que a equipe da Mercedes-Benz, em São Bernardo-SP, se surpreendeu com uma peça, geralmente trocada com 15 mil km, que se manteve adequada quando o carro completou 30 mil km. A companhia revelou que já conquistou novos clientes nos países percorridos.

Essa jornada é uma comemoração dos 30 anos da Iglidur, divisão de buchas da Igus, comemorados em 2014. Trata-se da primeira experiência desse tipo realizada pela companhia. Para mais informações sobre a viagem, acesse blog.igus.com.br.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-